Inhotim

_MG_6813Precisando recarregar as baterias e pensar na vida, aproveitei que 7 de setembro é feriado e fui para minhas Minas Gerais na sexta-feira à noite e fiquei cinco dias por lá. Não pareceu uma viagem tão bem planejada porque o melhor seria se começasse na terça-feira. Dessa forma pegaria mais museus abertos, mas a viagem nasceu assim e aproveitei da mesma forma.

_MG_7033Chegando bem tarde, fui direto ao ótimo Laranja Mecânica Hostel & Pousada, um albergue em Belo Horizonte recomendado por Cida, uma das amigas que conheci na Chapada dos Guimarães. Tive tempo apenas para tomar banho e dormir, pois no dia seguinte eu acordaria cedo para ir à rodoviária pegar um ônibus para Inhotim, levando quase duas horas para chegar ao instituto.

_MG_6979Muitos, e eu era um deles, pensam que Inhotim é uma cidade, mas é um instituto localizado na cidade de Brumadinho. O nome da cidade deriva das brumas, névoas características da cidade. Peguei tempo aberto durante os dois dias que visitei Inhotim, mas uma guia disse que é muito comum, seja mais cedo (chegava perto das 10hs) ou com tempo mais frio, Inhotim ficar coberto com uma fina névoa. Vi o efeito através das belas fotos de Serafim Cruz, um trabalhador do instituto que estava expondo pela primeira vez.

_MG_6838O instituto é enorme e são necessários dois dias para visitar todas as galerias de ar, e isso caminhando vigorosamente em alguns trechos. Há carros para transporte, mas isso tira um pouco do charme da visita. Por outro lado idosos, deficientes e pessoas com menos preparo físico podem passear sem medo. Usando os carros, alguns dizem que dá até para visitar todo o instituto em um dia. Não se acanhem.

_MG_6856Dentro de uma área ora arborizada e ora com cara de parque urbano, Inhotim é caracterizado por dezenas de galerias de arte. Algumas galerias têm várias peças e obras, sendo que em outras há uma única obra. As galerias em si são uma obra arquitetônica de muito bom gosto. Não sei se há rodízio de obras. Caso decida voltar em alguns anos qual será a diferença? Novas galerias? Obras novas nas galerias antigas? Tudo igual? Fiquei com essa dúvida.

_MG_6919Ainda que haja muito verde, alguns lagos e animais (esquilos, só vi esquilos), o instituto contrasta com o visual à sua volta. É sim uma área desmatada no meio de várias serras. Não sei se era uma fazenda ou algo do tipo no lugar, porque gosto de me surpreender nas viagens e não pesquisei a história do lugar, mas em alguns trechos parece uma mistura de Parque do Ibirapuera com Alfredo Volpi. A visita vale sim, há todo um trabalho botânico que pode ser acompanhado e a comida é bacana. Cometi o erro de levar pouco lanche no primeiro dia, porque o restaurante fica na entrada. Passei fome, mas no final me esbaldei. Foi um ótimo começo de viagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.